As máquinas já começaram a chegar às oficinas, de norte a sul do país. O método, que será gratuito e disponibilizado entre Junho e Agosto, é eficaz contra bactérias, ácaros, vírus e micróbios, mas não garante a eliminação do novo coronavírus.

 

A cinco dias do fim do terceiro e, acredita-se, último estado de emergência, a Seat está a preparar as oficinas portuguesas da marca para operações de limpeza e desinfecção dos veículos, equipando-as com Máquinas de Ozono, cujos serviços serão disponibilizados aos clientes, gratuitamente, entre os meses de Junho e Agosto, informou a empresa em comunicado.

As Máquinas de Ozono, que estão a ser colocadas na rede de oficinas da marca de Martorell, de norte a sul de Portugal, operam de acordo com um sistema que transforma o oxigénio (O2) do ar do habitáculo do veículo em ozono (O3), o que, afirma a marca, elimina bactérias, ácaros, vírus e micróbios.

Mas, apesar de estarem a ser desenvolvidos estudos no sentido de compreender o efeito do ozono no SARS-CoV-2, não há, até à data, provas científicas que mostrem que aquele elemento seja capaz de matar o novo coronavírus.

Um estudo publicado, em 2004, na revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA, reflecte sobre as possibilidades de purificar o ar tendo em mente outro coronavírus, o SARS-CoV, que, entre Novembro de 2002 e Julho de 2003, provocou a doença SARS em 8098 pessoas, com um saldo de 774 mortes.

O ozono é referido por este estudo como tendo propriedades bactericidas, virucidas e fungicidas que têm sido utilizadas no tratamento de águas, como comprovam vários documentos publicados nesse âmbito pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Já sobre a descontaminação de espaços, o mesmo trabalho, realizado para avaliar sistemas que os autores do estudo ajudaram a desenvolver, aponta para que o processo seja realizado com os mesmos desocupados, uma vez que, para se conseguir uma eficaz desinfecção, têm de ser usadas concentrações elevadas de ozono, superiores ao que as pessoas podem ser expostas em segurança.

Segundo um relatório publicado pela OMS, “em concentrações superiores a 0,1 ppm (partes por milhão)​, o ozono pode provocar irritação dos olhos, nariz e tracto respiratório.

“Após uma vasta pesquisa e análise pelos vários equipamentos existentes no mercado, seleccionámos um gerador fabricado na Europa, que detém todo o tipo de certificações ISO e UNE de que necessitamos”, explicou o director do pós-venda da Seat Portugal, Eduardo Urbina Martin. “Esta máquina garante uma produção de cinco gramas de ozono por hora, permitindo desta forma desinfectar por completo um automóvel de dimensões médias em apenas quatro minutos.”

 

Fonte: Auto Monitor