A chegada do WLTP forçou as marcas a muitas alterações e no caso da Mini, aproveitaram as mudanças feitas nas versões mais potentes John Cooper Works para apresentarem uma remodelação do Mini.

 

A gama de modelos Mini já está equipada com a nova tecnologia de filtragem de gases de escape, desenhada para fazer com que os motores da casa britânica sejam capazes de cumprir as normas Euro 6d-Temp e, assim, terem um bom desempenho no novo protocolo de homologação WLTP. De acordo com a informação disponibilizada pela Mini, as alterações feitas ao bloco de 2.0 litros duplo turbo não beliscaram o seu desempenho: 231 CV, consumo médio de 6,9 l/100 km e emissões de CO2 de 158 gr/km, isto com caixa manual de seis velocidades. Já com a caixa Steptronic de 8 relações, os valores são, respetivamente, de 6,2 e 142 gr/km. A versão Cabriolet exibe 7,1 l/100 km e 162 gr/km de CO2 com caixa manual e 6,5 l/100 km e 148 gr/km com caixa Steptronic. Ou seja, a caixa automática de 8 velocidades é altamente recomendável.

A utilização de um filtro de partículas para a gasolina foi objeto de estudo profundo por parte dos engenheiros da Mini que, depois desse trabalho, asseguram que a sonoridade do John Cooper Works manter-se-á em níveis do passado com um som desportivo.

O Mini John Cooper Works viu a suspensão desportiva e os travões revistos, enquanto que no exterior, o “kit” John Cooper Works evoluiu, mantendo uma forte diferença para os modelos “normais”. O equipamento manteve-se rico com faróis LED à frente e atrás, sensores de chuva e luminosidade, entre outras coisas. O carro estará à venda no primeiro trimestre de 2019, não havendo, ainda, estimativa de preços.

 

Fonte: Auto+